The Kills lança novo álbum de raridades, “Little Bastards”

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk


The Kills compilou uma série extraordinária de lados B e raridades no álbum Little Bastards, disponível hoje através da Domino. As canções variam dos primeiros singles de 7 “da banda em 2002 a 2009. Todo o material foi remasterizado para ser lançado em 2 x LP, CD e digital, e é a primeira vez que algumas dessas músicas estão disponíveis em vinil.
 
O título do álbum é um comentário irônico sobre o destino negligente dessas gravações: em muitos casos nascidos no momento para preencher as faixas bônus em singles em CD, eles esmaeceram junto com o formato de lançamento exigido para sua criação. Além disso: Little Bastard foi o apelido carinhoso que a dupla deu à bateria eletrônica que permitiu sua existência como uma banda de dois integrantes na primeira metade de sua carreira. “Era um Roland 880”, diz Jamie, “que não é estritamente uma bateria eletrônica – é um sequenciador e gravador de oito pistas com sua própria bateria eletrônica embutida, e com ela gravamos todas as nossas batidas”.
Little Bastards está disponível digitalmente em CD e LP. Ou LP duplex deluxe visto em vinil amarelo neon e envolto em uma inserção gatefold com lados internos impressos. Haverá um número limitado de edições especiais, incluindo uma prensa 5×7 autografada, disponível em registros independentes selecionados do Reino Unido. Vendas aqui.
 
Outros destaques do LP incluem “I Call It Art” da compilação de covers de Monsieur Gainsbourg Revisited, a brilhante faixa bônus digital do Midnight Boom “Night Train”, uma performance empolgante de “Love Is A Deserter” de uma sessão XFM e um punhado de canções clássicas americanas com o tipo de entrega contundente da banda: “Forty Four” (Howlin‘ Wolfs), “I Put A Spell on You” (Screamin ‘Jay Hawkins) e “Sugar Baby” (Dock Boggs).
 
Iniciada por mixtapes compartilhadas entre dois espíritos afins na virada do Milênio, as últimas duas décadas viram The Kills dominar um equilíbrio selvagem, desencadeando sua força e sutil violência musical. São cinco álbuns e quatro EPs em que Alison Mosshart e Jamie Hince reimaginaram as possibilidades da dualidade moderna – combinando o rock de garagem, o punk e o blues em paisagens nebulosas, carnificina e fuga entre Outkast e Suicide. Seu último álbum, Ash & Ice (2016), foi amplamente elogiado, e seu lançamento mais recente – uma versão de 2018 de “List Of Demands” de Saul Williams b/w “Stepping Razor” de Peter Tosh – marcou o aniversário de 15 anos de seu primeiro álbum, Keep On Your Mean Side (2003). No palco, sua química é incomparável; magnéticos e cativantes, imersos em efeitos de guitarra ou em piano, sob um único holofote. A dupla transcende todos os gêneros que os reivindicaram e habitam um lugar inteiramente único na cultura musical. Eles são eles mesmos. Inimitável e incomparável, Little Bastards é uma manifestação musical como uma injeção de pura adrenalina. Aproveite as memórias. Por muito tempo elas podem brilhar.