#ZPDailyReview: Joan Jett & The Blackhearts – Playin’ With Fire (Live In Long Island, NY ’81)

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk

Todo dia um review rápido, uma indicação do que ouvir e o caminho das pedras:

Joan Jett & The Blackhearts – Playin’ With Fire (Live In Long Island, NY ’81) (2020)

Já comentei sobre isso em outras resenhas do mesmo estilo: uma das coisas legais das redes digitais é a “oficialização” de alguns bootlegs famosos. Já aconteceu com Ramones, Velvet Underground e tantos outros, e agora acontece com a Joan Jett. A diferença é que este mesmo registro consta no Spotify com três títulos e capas diferentes: “Live… Long Island ’81”, “New York 1981” e finalmente, “Playin’ With Fire”. A diferença entre as três versões, além da capa e título, é que esta última adicionada está com o áudio melhor, menos abafado, com menos jeito de pirata. Vale citar ainda que o mesmo show foi lançado em cd’s boot desde os anos 1990 com uma porção de títulos e capas também – uma consulta no discogs.com ajuda os colecionadores a se encontrarem.

O fato é que em 1981 Joan estava voando baixo  ao lado de seus Blackhearts, divulgando o excelente “Bad Reputation”, e é justamente com a faixa título que ela abre este show que foi transmitido pela rádio WLIR FM.

O set-list de 21 músicas é divertido, tem as faixas do disco da época e covers – alguns manjados, outros surpreendentes – na voz da cantora: o clássico “Summertime Blues” de Eddie Cochran, “I Love Rock N’ Roll” do The Arrows, “Star Star” – um ode a NY feito pelos Stones, “Do You Wanna Touch Me” do Gary Glitter, “Shout” dos The Isley Brothers em versão cheia de “ê-ô’s” igual ao que o Green Day veio a fazer no final dos anos 1990, e “Rebel Rebel” do David Bowie que fecha maravilhosamente o set.

Uma hora e pouco de show de uma banda afiadíssima, em seu melhor momento comercial e criativo, tocando um set escolhido a dedo com uma das maiores frontwomen do rock à frente da bagunça toda. Não tem como não ser excelente.