O Ben para todo mal: Iggor Cavalera fala sobre filhos, reencontro com o irmão Max, família e a palheta coçadeira do Iron Maiden

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk

por Homero Pivotto Jr.: Gestar uma produção audiovisual não é brincadeira. Mas “O Ben para todo mal” está de volta, com episódios inéditos abordando músicos em conversas sobre a relação entre filhos e o fazer artístico. Para pontuar o momento, batizamos a temporada de “se criando no isolamento”. O nome é uma alusão aos bate-papos realizados à distância em razão das restrições impostas pela pandemia no novo coronavírus. A grafia é mesmo fora do padrão — como nossa ideia de parentalidade — trocando a ênclise, que seria o correto, pela próclise. A expressão “se criando” é uma gíria comum no Rio Grande do Sul e significa, grosso modo, “se desenvolvendo”, “nascendo”.

A estreia da nova fase é com Iggor Cavalera (Petbrick / Mixhell). O baterista e ex-integrante da maior banda de metal parida no Brasil, fala sobre a importância da família para a carreira, o nascimento do Sepultura, o peso que o filho mais novo teve na reconciliação com o irmão Max — com quem ficou uma década sem conversar diretamente — e o uso fora do comum para palhetas do Iron Maiden. Assista ao episódio aqui (https://bit.ly/obeniggorcavalera). Em breve, também na programação da Music Box Brazil.

Na sequência, ainda teremos entrevistas com o rapper Afro-X, com a cantora Fernanda Takai (Pato Fu) e com o jornalista André Barcinski (que, entre tantos trabalhos, escreveu a biografia de João Gordo, vocalista do Ratos de Porão e um de nossos convidados na primeira temporada).

A montagem e edição do projeto segue sob a tutela de Sérgio Caldas, criador da Subverse Filmes.

Sobre o Ben para todo Mal

Filhos só fazem bem. Até para os maus — ou tidos como tal. Além disso, são um alento para todos os males. Dão trabalho, vá lá, mas são nosso bem mais precioso.

E o Homero, jornalista e pai do Ben, (com)provou isso desde que o guri nasceu. Aí, resolveu conversar com figuras que o cidadão de bem considera malvadas para mostrar a influência que uma criança exerce na vida dessa turma ‘maligna’.

Então, idealizou ‘O Ben para todo mal’ (assim mesmo, com ‘n’, para homenagear o filhote), série de entrevistas com criaturas fora dos padrões convencionais da família brasileira. A ideia é conversar com rockeiros — do mainstream ao underground — e gente que não se apega às convenções de pai & mãe tradicionais.

Até o momento, foram produzidos 13 episódios com personagens nacionais e internacionais. Entre eles: Jão e João Gordo (Ratos de Porão), Julia Barth (Os Replicantes), Andreas Kisser (Sepultura), Colin Abrahall (GBH), CJ Ramone, Rodrigo Lima (Dead Fish), Fredrik Larzon (Millencolin), João Kombi (Test), Toby Morse (H2O), Fredi Chernobyl (Comunidade Nin-Jistu),  Rafel Malenotti (Acústicos & Valvulados) e Simon Chainsaw (Simon Chainsaw & The Hippie Killers). Estão todos disponíveis aqui: www.youtube.com/c/OBenparatodomal

Quem ajuda nessa criação é o produtor e editor de vídeos Sérgio Caldas, da Subverse Filmes, que já tem extenso currículo com produções audiovisuais ligadas à música. É ele o responsável por conceber o projeto na tela.

Além de um canal no Youtube, a iniciativa ganhou espaço no canal Music Box Brazil — que  está na grade de programação das maiores operadoras de TV a cabo do país e é o segundo maior canal de música do país (sendo o primeiro de conteúdo nacional). As exibições são semanais e podem sofrer alterações conforme a programação da emissora.

Canal no Youtube: www.youtube.com/c/OBenparatodomal

Facebook: /www.facebook.com/obenparatodomal

Instagram: www.instagram.com/obenparatodomal/