Ditados populares inspiram hardcore do CPM 22

foto por Willer Carvalho

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk

“Quem com ferro fere, com ferro será ferido”, “Pra bom entendedor meia palavra basta”,  “Um dia da caça outro do caçador” e “A cavalo dado não se olha os dentes” são alguns dos ditados populares que podem ser reconhecidos na letra de “Ditados”, novo single do CPM 22 que chega às plataformas digitais nesta sexta, 20/11, com distribuição da Ditto Music. A faixa chega acompanhada de um lyric vídeo assinado por Fernando Lamb, da Santa Edit. Assista aqui.

Composta entre fevereiro e março deste ano, o single é um hardcore melódico intenso com letra e música assinadas pelo guitarrista Luciano Garcia e influências de Sick of It All e Goldfinger.
Ouça “Ditados” aqui 

Comecei a trabalhar nessa letra e depois da segunda, terceira frase percebi que remetiam a ditados populares. Gostei do resultado e resolvi seguir esse caminho. Pesquisei alguns ditados como referência porque, desde o início, a ideia não era que eles aparecessem literalmente. Isso também aconteceu porque tive que adaptar as frases com a melodia da música e os ditados originais não cabiam“, conta Luciano.
 
Essa música fez parte da primeira leva de composições desse repertório de 20 músicas que temos. Logo que o Luciano me mandou, percebi que a música era potente, direta, e as frases e os ditados encaixaram muito bem na base da música. Ela tem riffs fortes e a música não perde a velocidade nunca, parece um caminhão desenfreado na descida (risos)”, diz Badaui.

Produzida pelos guitarristas Luciano Garcia e Phil Fargnoli, “Ditados” foi gravada no Estúdio 44, em São Paulo, – voz e bateria – e o baixo e as guitarras no home studio do guitarrista Phil. A mixagem ficou a cargo de Phil  e Ali e aconteceu no Estúdio Sunrise Music, em Araraquara (SP), estúdio de Ali Zaher. A diferença em relação a “Escravos” e “Oriente”, singles lançados recentemente, é que a masterização ficou a cargo de Ali.

Com o Ali assumindo a masterização nós nos tornamos uma banda autossuficiente porque a gente compõe, produz, grava, mixa e masteriza e isso é muito bom“, comenta Luciano.

Uma coisa que eu gosto é que é uma faixa meio surpreendente. Ela começa com uma pegada Sick of It All, um pré-refrão meio pesado, como a gente costuma dizer ‘mais perigoso’, e o refrão é super melódico e me lembra muito o Goldfinger, que é uma banda que eu gosto muito e uma grande referência na minha carreira. Essa mudança inesperada de clima tem surpreendido as pessoas de uma maneira muito legal e positiva“, completa Luciano.