#ZPDailyReview: Midnight Oil – The Makarrata Project

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk

Todo dia um review rápido, uma indicação do que ouvir e o caminho das pedras:

Midnight Oil – The Makarrata Project (2020)

Primeiro disco do grupo australiano em 18 anos, “The Makarrata Project” é o sucessor de “Capricornia” (2002) e o primeiro desde sua reunião.
Políticos e ativistas como sempre foram, da capa do disco até as escolhas pessoais, os caras se unem a uma porção de outros artistas locais para um disco de sete faixas onde todas elas contam com colaborações musicais, inclusive uma póstuma de Geoffrey Gurrumul Yunupingu, famoso músico aborígene australiano, com passagem pelo Yothu Yindi, falecido em 2017.
Versando principalmente sobre a relação do branco com os povos aborígenes, o disco se preocupa tanto no texto quanto no som. As canções passeiam por diferentes linguagens (e línguas, inclusive), mas sempre com o DNA original do Oil. “Gadigal Land”, por exemplo, é das que mais nos remetem aos timbres e sons que a banda produziu na segunda metade dos anos 1980. Tudo atualizado, é claro. A característica voz de Peter Garrett também não deixa o vínculo com o passado se romper, mas o disco todo tem a cara do presente. No pensamento progressista, na inclusão plural e nas temáticas.
A palavra “Makarrata” a que se refere o título é uma palavra yolngu que significa algo como “processo de resolução de conflitos, pacificação e justiça”. Esse é o espírito do álbum, transparente em melodias doces e versos inteligentes. Makarrata para todos nós.
Lançado em CD, LP e digital.