#ZPDailyReview: Mr. Bungle – The Raging Wrath Of The Easter Bunny Demo

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk

Todo dia um review rápido, uma indicação do que ouvir e o caminho das pedras:

Mr. Bungle – The Raging Wrath Of The Easter Bunny Demo (2020)

Para uma maioria, de forma grosseira, o Mr. Bungle é “a banda esquisita do Mike Patton antes do Faith No More”. É isso também, mas não somente.
Trevor Dunn, Mike Patton e Trey Spruance realmente se empenharam em manter uma sonoridade indigesta por anos, fugindo do pop e do óbvio. Mas agora com a chegada dos novos integrantes de peso – Scott Ian (Anthrax, S.O.D.) e Dave Lombardo (Dead Cross, Slayer, Suicidal Tendencies) – a coisa tomou outro rumo.
O Mr. Bungle 2020 é uma banda pesada, uma hecatombe crossover da melhor qualidade. Este novo disco tem canções que foram compostas (e algumas lançadas) nos primórdios do grupo, agora regravadas mantendo uma unidade: tudo é pesado e super agressivo. Bem, com Scott e Lombardo no time não dava pra ser diferente.
Dá pra entender o tom do álbum sem nem ouvi-lo, se lembrarmos que entre as 11 faixas duas são versões: “Hypocrites / Habla Español O Muere”, versão de “Speak English Or Die” do S.O.D. e “Loss For Words” do Corrosion of Conformity. O restante autoral não foge dessas referências, unindo o melhor de vários mundos: os riffs metálicos, bateria bate-estaca e as doideiras de Patton e c&a. Patton inclusive faz sua parte com a maestria de sempre. Canta, berra, urra, mostra a versatilidade de seu vocal a serviço do caos sonoro que o acompanha.
“Eracist” é a faixa que foge um pouco da regra thrash, podendo estar tranquilamente na tracklist de um dos últimos três discos do Faith No More. No mais, é headbanging e circle-pit pra dar e vender.
“The Raging Wrath…” é um disco de metal, dos melhores do ano, e mesmo as canções longas – muitas acima de 6 minutos de duração – se justificam dentro de uma versatilidade de riffs e passagens. Aula com quem leciona a matéria faz tempo, nomes que nunca foram ortodoxos em suas bandas e sempre foram partidários da mente aberta. O resultado não poderia ser outro: na mosca.
Em cd, vinil e digital.