Ícone do punk no “extremo interior” de SP relança single de 1994

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk

Um mês atrás, o Ecoa, do Portal Uol listou algumas bandas punks que fizeram história no interior de São Paulo. Uma delas foi a Restos, de Birigui. Na coluna, Fred Di Giacomo diz: “As bandas do extremo oeste do estado, longe demais das capitais, viviam em um completo isolamento. Esse isolamento gerou um punk rock anarquista, cru e com fortes semelhanças com a primeira geração paulista do estilo”.

“Resistência Anarquista”, foi escrita em 1994 quando Caubí (vocalista e guitarrista) acompanhou a greve dos sapateiros em Birigui, se empolgou com a causa em busca de melhores condições de trabalho e se decepcionou quando os manifestantes perderam força devido a pressão e as ameaças.

É um punk rock cru, direto e contestador. Três acordes, mas muita coisa a dizer. Tanto que o som ecoou muito além do “interiorzão”, na época que foi lançada a música fez parte até de uma coletânea chamada “No Fate IV”, lançada no Japão. “Ela ainda se mantém viva, assim como a necessidade de lutar e reivindicar, pois os dias de hoje se mostram ainda mais difíceis do que naquele longínquo 1994”, diz Caubí.

O vocalista e guitarrista continua: “A gravação original não foi feita com a qualidade que desejávamos, mas talvez isso pouco importe diante da atmosfera de solidariedade, amizade, cumplicidade, luta e crescimento pessoal que foi a tônica de sua trajetória e existência”. E é com esse objetivo de resgatar clássicos perdidos que o Selo Curva inaugura o segmento Curva Clássicos. “Resgata, catalogar, digitalizar e distribuir clássicos do rock que ainda não foram lançados digitalmente”, explica Alexandre Soares, idealizador do Selo Curva.

Com o single da Restos, a intenção foi trazer pra atualidade uma letra que ainda é atual e manter a aura punk da sonoridade. É um tipo de som que não faz o menor sentido perfumar muita coisa da gravação original. A ideia é jamais descaracterizar a verdade da música”, conclui Soares.

Depois de participarem de muitos festivais alternativos, organizar seus próprios eventos e participar de várias ações com outras bandas da região, a Restos encerrou suas atividades em 2000. Ficou o legado punk que agora começa a ser devidamente revisitado.