Power-duo ‘68 anuncia novo EP e lança clipe inédito; assista “Bad Bad Lambo”

Gosta do trabalho do ZonaPunk?
Então se torne um apoiador e ajude-nos a manter o site ativo: https://apoia.se/zonapunk

O power-duo de Atlanta ’68 lançou um videoclipe totalmente novo e lançará um novo EP nesta sexta-feira, 4 de setembro de 2020. O EP é intitulado Love Is Ain’t Dead, e o clipe de “Bad Bad Lambo” está disponível para assistir agora. Produzido pelo produtor vencedor do Grammy Nick Raskulinecz, este EP é a primeira safra de novas canções que ouvimos de ‘68 desde o lançamento de Two Parts Viper em 2017. Pré-venda disponível agora.
 
Josh falou recentemente com a Alternative Press, em que a AP afirma: “Scogin escreveu três novas canções e estava ansioso para gravá-las. Raskulinecz estava disponível e a banda gravou todas em uma semana. Não é um álbum, mas é mais legal do que uma parada normal. Love Is Ain’t Dead vai saciar os fãs e eletrificar novos ouvintes.” Leia a entrevista completa aqui.
 
Quanto barulho duas pessoas podem fazer? ’68 é o som de implosão e explosão simultâneas, destruição e criação, sem limites. Essas são canções que quase poderiam desmoronar a qualquer momento, mas nunca caem, dançando diabolicamente entre a vida e a morte. É um impulso primitivo entregue com propósito pós-moderno; a determinação de um ferreiro com um arsenal de distorção elétrica e coragem bruta.
 
Josh Scogin deu o pontapé inicial de sua pequena banda com o grande som em 2013, nomeando o traje para duas pessoas que ele modestamente vendeu como “um pouco de rock, um pouco de blues, um pouco de hardcore” em homenagem ao velho Camaro de seu pai. E há um estrondo do tamanho de um muscle car sob o capô do que o nativo de Atlanta, Geórgia e seu parceiro de crime percussivo, Nikko Yamada, desencadeou com uma variedade de guitarra, baixo, bateria, teclas e pedais, oscilando entre queimadores de celeiro, fenos selvagens e atmosfera temperamental.
 
Como uma reimaginação do Delta Blues do Nirvana da era Bleach ou o primo punk desgraçado de The Black Keys, ‘68 adere a uma única ética: autenticidade desenfreada. Não há nenhum “plano” com ‘68, mas sim uma carona, com a dupla se segurando para salvar a vida no olho da tempestade tanto quanto o público. O obstáculo é o objetivo. A jornada é o destino. Criativo, perturbador, frenético, mesmo quando mergulhando em um pouco do funk estilo Otis Redding ou James Brown, o ’68 parece urgente.