Explain Away, transformando sentimentos e emoções através do punk rock


O Explain Away encoraja e manifesta com sua música diversos tipos de emoções, criando combinações melódicas com sua pegada punk rock californiana que refletem sentimentos de maneira abrangente, que servem para reflexão geral, e não para algo introspectivo e pessoal. A banda apresenta um som diferente e com muita atitude, se expressando de forma sincera, dando uma aula que nos emociona a cada acorde. 

Marcando a nova fase do power-trio, lançou recentemente o single e clipe da faixa “Cause We”, mostrando um caminho de composição, melodia e reflexão diferentes da intensidade e distorções do último material lançado, o disco “Collective Loneliness”. A faixa trata de uma fraternal ao sentimento de estar lá para quem é importante e quem se importa reciprocamente, independente das condições mais adversas que a vida arma pelo caminho, especialmente em dias difíceis como os que temos vivido ultimamente. Um triunfo do amor incondicional sobre a desesperança.

O grupo que foi formado em 2014, mistura punk, grunge e alternativo dos anos 90 com uma pegada própria e visceral. Letras realistas e reflexivas sobre as consequências do nada fácil cotidiano das grandes cidades e saúde mental, com um instrumental agressivo que correspondem aos temas tratados. Lançaram seu primeiro trabalho de estúdio no final de 2017, entitulado “Collective Loneliness”, com 9 faixas que demonstram isso do começo ao fim, e apresentações potentes e altas, resgatam o espírito do bom e velho underground independente com uma equação diferenciada de boas referências em cada acorde.

Conversamos com a banda sobre influências musicais, processo de composição, trajetória e outras curiosidades.

De onde vem nome “Explain Away”? O que levou a banda a esse nome?
Uma das partes mais difíceis é batizar uma banda, chegar num consenso. No meio das pesquisas e sugestões, surgiu esse verbo frasal que tinha um conceito muito bom de não precisar de explicações, ser “autoexplicativo”. O engraçado é quando nos perguntam o “porque” do nome, e o conceito é a própria resposta…não ter que explicar.

Como se deu o surgimento dela?
Despretensiosamente. Final de 2013, começo de 2014 aproximadamente, com uma jam entre amigos num estúdio, final do expediente para tomar umas. E foi evoluindo até quando eu apresentei algumas coisas autorais que tinha na manga engavetadas e tomando a forma que temos hoje.

A banda lançou a pouco tempo single e clipe. Como foi o processo de composição e gravação do material? E como se deu a idéia de apoiar uma ONG de animais no último clipe lançado?
Sim, `Cause We! Tínhamos um esboço dela na época da gravação do disco Collective Loneliness, mas essa música, de alguma forma…parecia precisar de uma outra abordagem tanto de gravação, quanto de momento/timming. Nosso produtor (Billy Comodoro) nos aconselhou a “segurar” ela, pois realmente…precisava de um carinho e atenção à parte, e que foi devidamente aplicado posteriormente e o resultado não podia ter sido melhor. A composição dela, foi feita como a maioria das músicas; acusticamente no sofá da minha sala numa manhã de sábado ou domingo e levada pros ensaios pra banda dar o talento técnico, opiniões, sugestões, inputs e feelings de cada um. E a melodia final dela me pedia uma letra com uma abordagem diferente do contexto do último disco. Basicamente uma Ode Fraternal, que serve para qualquer tipo de relação. Neste gancho de “estar lá para o que der e vier”, junto com o pessoal da Guerrilaz Filmes, numa de nossas reuniões sobre o que seria o clipe, tivemos a metáfora de Amor Incondicional, associada à adoção. Em contato com a ONG Aliança com a Vida, que cuida de mais de 60 cães em situação vulnerável (abandonados, idosos ou com algum tipo de enfermidade), descobrimos que a letra estava falando exatamente deste tipo de companheirismo que é adotar um amor que você nem sabia que existia e ajudar quem faz o bem, sempre.

O último single lançado foi muito bem recebido. Podemos esperar single, ep ou full album em breve?
Estamos muito contentes em ajudar a ONG e os cães da melhor maneira que uma banda poderia fazer isso, e com a repercussão expontânea de pessoas reverberando a ação. No momento, estamos trabalhando em cerca de 7 novas músicas (por enquanto!) que vão mostrar uma fase de evolução da banda em todos os sentidos.

Suas letras passam uma mensagem muito forte, de onde vêm as ideias para as composições? Existe alguma composição que é mais especial para vocês?
As letras são a cereja do nosso bolo, tanto é que são a última coisa que fazemos nas músicas. Preciso sentir o clima das melodias para ter encaixe perfeito com as letras. Entro num processo diferente na hora de escrever, me isolo por completo e tento extrair em palavras o que a música está tentando me dizer. As ideias chegam de várias observações do nosso redor, ou traduções de sentimentos e situações, mas sempre de maneira abrangente que sirva para reflexão geral, e não algo introspectivo e pessoal. Gosto de dividir algo que seja comum a quem esteja ouvindo e lendo as letras quase que metaforicamente, e que represente pro ouvinte uma identificação particular com a mensagem, do tipo: “Caramba! Estou passando exatamente por algo assim, e essa música me representa, me ajuda a entender melhor tal assunto”. Se eu passo por tal coisa citada na letra, não sou o único. Esse é o poder da mensagem que queremos passar. Empty Colors tem um poder incrível de nos tornar uníssonos por mais de 3 minutos. Fora o nó na garganta na hora de cantar.

Quais as bandas e fontes artísticas que inspiram o som da banda?
As influências dos integrantes são meio parecidas mas cada um puxa mais pra um lado e acaba contribuindo com um som diferente que não conseguimos rotular muito bem, mas temos influências de Punk Rock californiano, grunge, bastante coisa dos anos 90 e atuais também, bandas como Bad Religion, Nirvana, Basement, Green Day e várias outras.

Como que vocês estão lidando com a pandemia de covid 19? Que tipo de interação a banda esta tendo com o público nesse momento de quarentena?
Que tempos, não? Ficando em casa, é o certo a se fazer para achatar a curva. Temos conversado bastante sobre como fazermos coisas relevantes nas redes sociais, todos temos que nos re-inventar nesta nova fase da humanidade. Continuamos ajudando a ONG Aliança com a Vida nas postagens de adoção, pois nada melhor do que ter boa companhia nestes momentos de quarentena, além de algumas lives acústicas, e outras interações nos stories, mostrando alguns teasers dos novos sons que estamos trabalhando.

Quais os planos para 2020?
Nosso plano (antes da pandemia) era estarmos entrando em estúdio para gravar as novas músicas em julho/agosto, mas devido a isso tudo que está acontecendo, sem os ensaios e shows cancelados, suspendemos indeterminadamente essa agenda, esperamos retomar com força total assim que todos nós do mundo inteiro espancarmos esse Coronavírus de vez. Estamos re-lançando nosso primeiro disco “Collective Loneliness” pelo Selo Electric Funeral Records, que assinamos parceria recentemente, e que com isso, nossas músicas e mensagens cheguem a mais pessoas via streaming, ampliando nosso público. Por enquanto, seguimos com nossa assessoria de imprensa, nossas lives, stories, help para a ONG, e novas ideias pra mais músicas novas.

Confira o último trabalho da banda, “Cause We”:
https://bit.ly/2U5fMf0
https://spoti.fi/3cXR3C8