Os Pampa Haoles, surf music de Porto Alegre, querem sua ajuda em álbum de estreia

Os Pampa Haoloes por Marcelo Allende

O trio de rock instrumental Os Pampa Haoles, de Porto Alegre, embarcou numa campanha de financiamento coletivo para bancar o primeiro álbum oficial. A empreitada está ativa neste link (ou aqui: https://bit.ly/3abobUK) e oferece vários tipos de recompensas junto ao CD. Adesivos, camisetas, ecobag e entrada para o show de lançamento estão entre as opções. 

O disco de estreia leva o próprio nome do grupo e tem sete hits de verão (como a banda gosta de chamar suas composições). A gravação foi feita no estúdio Hill Valley, em Porto Alegre, com Davi Pacote Schvarcz Gomes. As faixas têm participação especial dos músicos Gabriel Cabelo (Tribo Brasil), na percussão, e Pedro de Azevedo Medeiros (Nossotros Quem / Sopro Cósmico), no saxofone. A ilustração da capa é do artista Felipe Neb.

Sobre Os Pampa Haoles

A onda d’Os Pampa Haoles é música instrumental feita por guitarra, baixo e bateria. A inspiração do hoje trio tem como fonte clássicos da surf music, como The Ventures, Link Wray e Dick Dale. Porém, navega com tranquilidade por outros mares, garantindo incursões pelo rock garageiro e ritmos latinos. Para deixar a viagem com ainda mais paisagens sonoras, sax e percussão também estão a bordo em alguns momentos.

Criada em 2016, a banda de Porto Alegre é formada atualmente pelos guitarristas Rodrigo Nizolli (ex-The Donnady’s Living Loom Band e Vitrola Hey e Os Toca-Discos) e Gabriel Bard, na companhia do baterista Luigi Rokero (Wallride, Jay Adams e Los Vatos). Os haoles (estrangeiros ou não nativos, em havaiano) assim se denominam porque estão distantes do litoral, onde sua música, teoricamente, encontraria um bom cenário para ser trilha sonora. Já o Pampa do nome é uma referência ao sul do Brasil, onde o termo — que designa um bioma típico do Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina — é bastante conhecido.

 Apesar da ausência de letras, os temas d’Os Pampa Haoles descrevem situações como dificuldades de se chegar na praia, rotina de trabalho na capital gaúcha e também lendas urbanas locais. Uma dessas histórias míticas que até hoje permeiam o imaginário popular é conhecida por crimes da Rua do Arvoredo e rendeu a canção ‘Espectro Claussner’. O causo narra que os assassinos atraíam vítimas para matá-las e usar parte dos corpos na confecção de linguiças. A prática era feita por três acusados: o brasileiro José Ramos, sua esposa húngara Catarina Palse e o açougueiro alemão Carlos Claussner — este também sacrificado pelas lâminas dos antigos comparsas.

Os Pampa Haoles já lançaram alguns hits de verão (como a banda gosta de chamar suas composições) e, no momento, trabalham para viabilizar seu primeiro disco oficial. O debut autointitulado, que tem sete faixas, foi gravado no estúdio Hill Valley, em Porto Alegre, com Davi Pacote Schvarcz Gomes. O material ainda traz participação dos músicos Gabriel Cabelo (Tribo Brasil), na percussão, e Pedro de Azevedo Medeiros (Nossotros Quem / Sopro Cósmico), no saxofone. A ilustração da capa é do artista Felipe Neb.