#ZPReview: ouvimos o novo disco do Questions, “Libertatem!” (2019) – seu primeiro álbum em português

Não é dificíl afirmar que “Libertatem!” é o melhor disco da carreira do Questions. E o que contribui pra isso não é somente a troca da língua – agora a banda canta 100% em português – mas sim pelo fato do disco esbanjar identidade e qualidade.
Sobre qualidade dá pra começar falando sobre a captação em estúdio. Os riffs, as palhetadas, estão tinindo, em um som brilhante, vivo e cheio de energia. Mixagem e master igualmente com frescor, tudo com punch e definição – mesmo ouvindo nos pobres sistemas de streaming.
Já na parte de identidade, bem, nunca o som do Questions soou tão livre, a banda tão a vontade, permitindo-se inclusive abrir suas fronteiras musicais, dando espaço para passagens mais melódicas, trabalhos de guitarra mais interessantes indo além dos riffs default, tudo sem perder o peso característico de suas canções – elas ainda pesam toneladas, acredite.
A forma de compor em português é obviamente diferente do que em inglês, e essa mudança é sentida aqui positivamente. Não foi apenas um processo de traduzir as letras, mas sim repensar a forma de compor e cantar. Além disso é claro, o conteúdo forte das letras saltam aos ouvidos de forma muito mais clara, a mensagem é passada sem ruídos, o que imagino que sempre tenha sido um dos objetivos primordiais do grupo, já que seu texto sempre foi carregado de conteúdo politico-social.
Aqui o quarteto abre o leque nos temas, mas um norte alinha todas as idéias, a de contestar e lutar pelo melhor, cada um em sua área. Seja em um texto mais direto, ou mais poético, a mensagem carrega os mesmos (bons) valores de liberdade e equidade.
O disco contém ainda três participações especiais e que representam bem os universos onde o Questions opera: Gabriel Zander na faixa “Exclusão”; Carl Schwartz do First Blood em “Ilegal”; e Ariel Uliana Junior do Invasores de Cérebro/Inocentes em “Veteranos”. E por falar em Inocentes, o álbum encerra com um cover de “Aprendi A Odiar” d’Os Inocentes, deixando clara a influência da primeira fase do punk brasileiro em seu mix tão cheio de metal.
“Libertatem!” é surpreendente e instigante, um plot twist na carreira do grupo e que abre um novo hall de possibilidades para seus próximos trabalhos. Aguardamos. A música e a mensagem, como já cantou o 7Seconds outrora.